Top Social

It's a match! O Tinder e eu

4 de março de 2015

É como simplifica a minha amiga M: se eu compro roupa online, procuro emprego online e vejo filmes online, porque não conhecer pessoas online? Já todos o fazemos desde os tempos da Maria Caxuxa do mIRC, ali a partir de meados da década de 90. Depois evoluímos para MySpaces, Messengers, Hi5s, Facebooks, Twitters, Instagrams e por aí adiante... Mas, independentemente do formato eleito, a essência do engate online é sempre a mesma. E tão questionável quanto a do engate não virtual.

Ainda que sabendo tudo isto, não foi de ânimo leve que me rendi aos sites/apps de online dating. Primeiro porque "Pá, o amor não se procura, acontece quando menos se espera!" e blablablá. Depois, porque não me conseguia imaginar a ir ter com um completo estranho para beber uma cerveja, morta de vontade de me enfiar num buraco.

Até que conheci o Tinder. Para mim, o Tinder é genial porque não revela que deste "like" a fulano se fulano não te o der a ti também. Uma pessoa sente-se segura e confortável por não ter de lidar diretamente com a rejeição de falar e não obter resposta, como acontece noutras plataformas. Ao mesmo tempo só fala contigo quem queres, o que te protege daquelas personagens que, logo à partida, nos parecem medonhas. Ah! Não entrei a achar que ia encontrar o amor da minha vida. E a questão do encontro para uma cerveja ainda estava por resolver, mas lá chegaria.
 
Arrasta-me para a direita, baby

Claro que, regra geral, o modus operandi de mulheres e homens no Tinder é muito diferente. Dizem as más línguas que eles só fazem "swipe right" (arrastar para a direita ou "gostar"), assim em barda e indiscriminadamente. Ou seja, a toda e qualquer fêmea que lhes apareça no ecrã, mesmo que tenha buço e lhe falte um dente. Basicamente, é a lógica "o que cai à rede é peixe".

Já as meninas analisam com olho de águia detalhes como cada uma das fotos, a frase de apresentação, os likes em comum no Facebook e a distância a que se encontra. As amigas dão uma ajuda. É mesmo uma cena muito comum de se ver no final de jantares de miúdas em Madrid: elas de telemóvel em punho a sentenciar futuros "matches" Tinder, ajudando-se umas às outras nas escolhas.

- Ai que feeeeeio, um beto com pinta de toureiro!
- Oh, é fofinho... Eu gosto. Vou pôr "like".
- Sim, quero dizer, ele horrível não é... Não faz o meu estilo, pronto! Olha, miga, força. Ainda bem que não vamos todas ao mesmo*. Ihih.

* Às vezes até vamos, sim, e é hilariante partilhar um contacto Tinder com uma amiga e comparar as dicas do bicho.

Depois destes primeiros passos, seja em ambiente de festa seja na solidão do nosso sofá, seguem-se as conversas com os "matches". Algumas anunciam o seu fim logo na primeira frase (ortografia, queridos!). Outras podem durar semanas, o que também não é suposto - se te metes no Tinder é para combinar, que não se faça ninguém perder o seu tempo. Quando o encontro finalmente se dá, podem acontecer várias coisas. O giraço das fotos afinal é um camafeu. É muito mais badocha do que aquilo que parecia. Tem um andar esquisito. Uma voz irritante. Não mostra o sentido de humor a que nos habituou no chat. À inteligência também não deve muito. Leva vestida uma daquelas camisas Sacoor com um rato bordado nas costas. E ainda por cima tem a mania. 

Mas também pode acontecer teres um "flechazo" (aquela paixão à primeira vista, como se uma flecha do Cupido nos atingisse) e pensares de imediato que com aquele ali não era só jajão. É porque o Tinder não é mais do que uma amostra - e bastante representativa - do que há no mercado da vida real: de tudo um pouco. Estão lá os cabrões e os sentimentais. Os surfistas e os culturetas. Os que só querem mandar uma e os que se casavam já amanhã. Os gostosões e os enfezados. Os cordeiros, os lobos e os lobos em pele de cordeiro. É só escolher.


Aqui na península

Creio que por terras espanholas, ou madrileñas pelo menos, a grande maioria dos solteiros está no Tinder (e uns quantos comprometidos também, mas não entremos no lado obscuro da coisa). Sinto que em Portugal ainda há algum preconceito com a aplicação, vergonha em dizer que se usa e gente que entra com fotos falsas para coscuvilhar e gozar com os amigos. Como se a arte de seduzir não fosse posta em prática de outras formas muito similares, online e offline.

Prova de que o Tinder não é decididamente tão famoso em Portugal como em Espanha é um artigo publicado pela Sábado, de nome Testei a app - continuo solteira. Uma jornalista da revista experimenta conhecer homens através da aplicação usando uma foto em que só se veem umas pernas tortas e uns sapatos de salto. Afirma que não quer mostrar a cara porque é muito feia e tem outras conversas totalmente fictícias. Pois é claro que continua solteira, até porque afinal era só uma experiência de trabalho... que não revela quase nada de fidedigno acerca do assunto. Às tantas escreve, como se fosse algo completamente fora, "A verdade é que há casos de namoros e até de casamentos via Tinder. Mesmo: uma colega diz que conhece um casal formado a partir da app (...)". Um casal? Pois aqui é o pão nosso de cada dia.

Quanto à minha experiência, posso dizer que na hora H não custou nada ir beber cervejas com um desconhecido (atenção, sempre num sítio central e com muita gente), que foi bastante mais natural do que o que esperava e que me diverti. E até me apaixonei. Se a continuação correu bem ou não já é uma questão alheia ao Tinder. Infelizmente, os "matches" não vêm com garantia de qualidade e durabilidade. Se algo dá para o torto não se deve ao facto de a pessoa ser "do Tinder", o mais certo é que seja tão totó como qualquer outra que se conheceu no Lux. Nunca julgar alguém por ser "do Tinder" quando nós também somos. E nós somos pessoas normais, quase sempre. Não somos?
2 comentários on "It's a match! O Tinder e eu"
  1. Continuo um bocadinho tradicional nesse campo, confesso, mas quem sabe! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Marta! Há que experimentar, mas com muito tino na cabeça. A coisa pode tornar-se algo "perigosa"... Se é que me entendes. Obrigada pela visita ao blog! :)

      Eliminar