Top Social

O caril é para as amigas

15 de setembro de 2016

Raja Mahal, Lavapiés, Madrid

Adoro caril. Nem poderia ser diferente vivendo eu num edifício habitado quase exclusivamente por proprietários de restaurantes indianos de Lavapiés. Cheira a especiarias por todo o prédio, o que faz com que diariamente suba aqueles penosos cinco andares a sonhar com pratos carregados de garam masala e pão nan.

Um dos grandes prazeres do verão (e do inverno, outono, primavera...) é ir jantar precisamente a um dos restaurantes hindus deste bairro de nome curioso, uma espécie de Martim Moniz mas mais fixe. Ainda que o assédio de outros estabelecimentos ao descer pela zona não seja brincadeira, refiro-me a um restaurante em específico. Desde os primórdios da minha vivência em Madrid que sei que o Shapla é "o" spot, o sítio onde a coisa se dá - além de bom e barato. Queremos uma noite memorável? Que algo bom aconteça? Então damos início à festa com um menu de 8 € desta casa mítica, regado com vinho de marca Lavapiés produzido mesmo ali na rua (não perguntem).

Pode ser feio, um pouco chunga diria até, e cheirar a fritos. Mas é um sítio especial interdito a pessoas não especiais. Primeiros dates de Tinder estão automaticamente excluídos daquelas mesas com toalhas aos quadrados em plano inclinado. Têm muito a provar antes de provarem tal categoria de chamuças.

[É assim mesmo que temos de agir nestas coisas: ser cautos como eu sou com o Shapla. Os territórios neutros deveriam ser sempre os cenários de encontros que, mais cedo ou mais tarde, se revelam infrutuosos. Nunca ir aos nossos sítios favoritos da cidade com gente que vira gentalha!]

Voltando ao caril, acho mesmo que tenho uma ligação qualquer transcendental com esta droga culinária. Vai muito além do Shapla. Da única vez que cozinhei um caril para alguém, nunca mais vi essa pessoa - e era uma receita do Henrique Sá Pessoa. Mais tarde, quando outro indivíduo se propôs a mostrar-me a mim a sua especialidade de caril, uma embalagem inteira de sal entornada no tacho arruinou o momento deli, como um presságio. Acabámos num reles fast food à meia noite, e daí ao ghosting mútuo foi um passinho.

Já não quero nem tentar perceber se afinal o caril é ou não afrodisíaco. Agora está reservado para as amigas, como deus manda. Às que estão lá sempre para, a qualquer momento, ouvir falar acerca de mais um estranho caso de ghosting/desinteresse súbito/frouxidão/odor duvidoso. E para brindar ao amor de verdade com mais um copo de vinho Lavapiés.

Shapla: Calle Lavapiés, 42, 28012 Madrid (só esta morada vos leva ao melhor Shapla, o 2).

Eu sei, a foto do post não é do Shapla, é de uma das poucas vezes em que o traí. Sim, posso ser esse tipo de cabrona!
4 comentários on "O caril é para as amigas"